O “último reduto" do Castelo de Leiria e suas evidências construtivas: quando o Românico encerra o Gótico

ESTUDIOS / STUDIES

O “último reduto" do Castelo de Leiria e suas evidências construtivas: quando o Românico encerra o Gótico

The last stronghold of the Castle of Leiria and its constructive evidences: when Romanesque encloses Gothic

 

António Ginja[1]

Universidade de Coimbra
Centro de Estudos Sociais

ORCID iD: http://orcid.org/0000-0002-3300-8223

e-mail: antonioldginja@gmail.com

RESUMO
Neste artigo expõe-se parte dos resultados obtidos a partir do primeiro estudo arquitetónico das estruturas militares do Castelo de Leiria, que, no âmbito do mestrado em História da Arte, da Universidade de Coimbra, conciliou Arqueologia da Arquitetura e História da Arte. De entre as várias estruturas defensivas deste castelo, o chamado “último reduto", uma pequena fortificação inserida dentro da fortaleza propriamente dita, revelou uma complexidade e uma diacronia construtivas ímpares em todo o Castelo de Leiria. Apesar da aparente modéstia da sua arquitetura, que lhe tem valido os epítetos de “projeto conservador" ou “projeto inacabado", demonstra-se como o “último reduto", resultando de uma sucessão de quatro fases construtivas, constituiu na verdade um projeto avançado, um sistema defensivo plenamente gótico, ainda que encerrado num castelo românico.
PALAVRAS-CHAVE: Castelo de Leiria; D. Dinis; último reduto; arquitetura militar; Românico; Gótico.

ABSTRACT
This paper contains part of the results gathered from the first architectonic study of the Castle of Leiria’s military structures, conducted within a master dissertation in Art History, from the University of Coimbra, combining Archaeology of Arquitecture and Art History. Among the several defensive structures of this castle, the so called último reduto (last stronghold), a small fortress within the castle itself, would reveal a complex and diachronic construction, unlike any other in the Castle of Leiria. In spite of its aparent modest architecture, awarding it classifications such as “conservative project" or “unfinished project", it is demontrated how the último reduto, resulting of a four constructive phases sequence, is in fact an advanced project, a completely Gothic defensive system, although contained within a Romanic castle.
KEYWORDS: Castle of Leiria; D. Dinis; last stronghold; military architecture; Romanesque; Gothic.

RESUMEN
En este artículo se exponen parte de los resultados obtenidos del primer estudio arquitectónico de las estructuras militares del Castillo de Leiria, que, en el ámbito de la maestría en Historia del Arte, de la Universidad de Coimbra, concilió Arqueología de la Arquitectura e Historia del Arte. De entre las diversas estructuras defensivas de este castillo, el llamado “último reducto", una pequeña fortificación insertada dentro de la fortaleza propiamente dicha, revelaría una complejidad y una diacronía constructivas impares en todo el Castillo de Leiria. A pesar de la aparente modestia de su arquitectura, que le ha valido los epítetos de “proyecto conservador" o “proyecto inacabado", se demuestra cómo el “último reducto", resultado de una sucesión de cuatro fases constructivas, constituyó en realidad un proyecto avanzado, un sistema defensivo plenamente gótico, aunque encerrado en un castillo románico.
PALABRAS CLAVE: Castillo de Leiria; D. Dinis; último reducto; arquitectura militar; Románico; Gótico.

Recibido: 17/06/2017; Aceptado: 23/10/2017; Publicado online: 19/12/2017

Cómo citar este artículo / Citation: Ginja, A. 2017: “O ‘último reduto’ do Castelo de Leiria e suas evidências construtivas: quando o românico encerra o gótico", Arqueología de la Arquitectura, 14: e063, doi: http://dx.doi.org/10.3989/arq.arqt.2017.020.

Copyright: © 2017 CSIC. Este es un artículo de acceso abierto distribuido bajo los términos de una licencia de uso y distribución Creative Commons Attribution (CC-by) España 3.0.

CONTENIDOS

RESUMO
ABSTRACT
RESUMEN
INTRODUÇÃO
“ÚLTIMO REDUTO": CONSTRUÇÃO E RESTAURO
CONCLUSÕES
NOTAS
FONTES IMPRESSAS
ESTUDOS
BIBLIOGRAFÍA

INTRODUÇÃO Top

Partindo de um levantamento fotométrico promovido para fins científicos pela Câmara Municipal de Leiria, várias estruturas militares do Castelo de Leiria foram, pela primeira vez na sua história, submetidas a uma leitura estratigráfica, permitindo determinar as suas sequências construtivas, e concludentemente intentar atribuições cronotipológicas sustentadas em evidências arqueológicas[2]. O presente artigo parte da leitura estratigráfica para uma análise arquitetónica e artística do “último reduto" desta fortaleza, promovendo a sua inserção no contexto construtivo que introduziu no Castelo de Leiria as novidades arquitetónicas decorrentes dos avanços poliorcéticos dos séculos XIV e XV.

Atribuída a D. Afonso Henriques, a fundação do Castelo de Leiria[3] encontra-se indubitavelmente associada na historiografia à cruzada ibérica medieval, conhecida por Reconquista Cristã, quer para a defesa à capital do jovem reino português, Coimbra, quer para a preparação dos ulteriores assaltos às regiões de Santarém, Lisboa e Sintra[4]. Seguindo a tradição dos castelos medievais, o Castelo de Leiria compunha-se de três núcleos amuralhados: o núcleo A, em área mais elevada, reservado aos representantes do poder no territorio; o núcleo B, a uma cota intermédia, destinado ao contingente militar ou, em caso de assalto, à população e respetivos haveres, e, numa área mais baixa e mais ampla; o núcleo C, onde se instalou a vila medieval.

Fig. 1. Castelo de Leiria. Localização sobre mapa da Península Ibérica, à esquerda, e planta, à direita.
Legenda:
1 – Arco da Torre Sineira da Sé
2 – Portas de Pêro Alvito
3 – Porta de Albacara
4 – Porta e Torre Buçaqueira
5 – Porta Nova
6 – Porta da Traição
7 – Cerca da Vila
8 – Torre de Menagem e Último Reduto
9 – Igreja de Santa Maria da Pena
10 – Paços Novos
11 – Igreja de São Pedro
12 – Paços Episcopais (Antigos)

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

O “último reduto", incluindo a torre de menagem, ergue-se no interior do núcleo A, uma área que, circunscrita por muralhas praticamente isentas de torreões e de traçado adaptado à irregularidade topográfica do terreno, define uma planta irregular. À elevação das escarpas em que se erguem, soma-se a elevada altura das suas muralhas, abertas apenas em dois pontos, em posições oponentes na planta do núcleo. A nascente, uma porta ampla, principal, inserida em torreão próprio. A poente, pequena e dissimulada, a Porta da Traição. Em posição quase central, ocupando o local de cota mais elevada de todo o castelo, mas distante das muralhas circundantes, a torre de menagem. Quando interpretado isoladamente, o núcleo A do Castelo de Leiria configura portanto uma típica fortificação românica, travando e resistindo a assaltos, numa lógica de defesa passiva, apenas com a robustez das suas muralhas circundantes e com a impenetrabilidade da sua torre de menagem.

Considerando uma inscrição aplicada junto da sua porta, a torre de menagem terá sido erguida, no entanto, por D. Dinis, no ano de 1324[5], já em período construtivo plenamente gótico.

Fig. 2: Inscrição epigráfica junto do vão de porta da torre de menagem.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Neto, por via materna, de Afonso X de Castela e genro de Pedro III de Aragão, D. Dinis teceu prudentemente, desde a sua ascensão ao trono de Portugal, no ano de 1279, uma proeminente posição no panorama político ibérico. Mediou o conflito que opôs Jaime II de Aragão a Fernando IV de Castela, com quem assinou o Tratado de Alcañices, definindo as mais antigas e duradouras fronteiras da Europa[6]. Promoveu políticas centralizadoras anti-senhoriais, como a desamortização dos bens do clero (Pizarro 2012Pizarro, J. A. de S. M. 2012: D. Dinis. Reis de Portugal, Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa da Universidade Católica Portuguesa, Temas & Debates, Lisboa.: 165) e a substituição das tenências por alcaidarias de nomeação régia (Barroca 1998aBarroca, M. J. 1998a: “D. Dinis e a Arquitectura Militar Portuguesa”, em IV Jornadas Luso-Espanholas de História Medieval. As Relações de Fronteira no Século de Alcañices, vol. 1, pp. 801-822. Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto.: 805). Durante grande parte do seu reinado teve de confrontar, militarmente, o seu irmão, D. Afonso e, nos últimos anos da sua vida, o seu próprio filho e herdeiro, o futuro D. Afonso IV[7].

Autor comprovado de 137 textos trovadorescos (Pizarro 2012Pizarro, J. A. de S. M. 2012: D. Dinis. Reis de Portugal, Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa da Universidade Católica Portuguesa, Temas & Debates, Lisboa.: 322), a D. Dinis se devem também a primeira universidade portuguesa, a extinção em Portugal da Ordem do Templo, ou a construção do emblemático Claustro do Silêncio, no cenóbio cisterciense de Alcobaça. A D. Dinis se deve ainda uma empreendedora e inovadora política defensiva[8], refletida na construção ou reforma de aproximadamente 90 fortificações (Monteiro 2002Monteiro, J. G. 2002: “Reformas góticas nos castelos portugueses ao longo do século XIV e primeira metade do século XV”, em I. C. F. Fernandes (ed.), Simpósio Internacional sobre Castelos, Mil anos de fortificações na Península Ibérica e no Magreb (500 – 1500), pp. 659-666. Câmara Municipal de Palmela, Palmela.: 659-666). Um feito construtivo de escala verdadeiramente impressionante, mesmo pelos padrões atuais.

No Castelo de Leiria ordenou, como visto, a construção de uma torre de menagem. Erguida ao centro do núcleo A, de planta retangular, apenas dezassete metros de altura e escassas aberturas, isenta de matacães, mísulas ou quaisquer aparatos residenciais, não deixa de constituir um modelo aparentemente conservador, num período “de pleno triunfo dos modelos turriformes góticos" (Gomes 2001Gomes, S. A. 2001: “Torre e Prisão: para um entendimento da Torre de Menagem do Castelo de Leiria”, em Torre de Menagem do Castelo de Leiria, pp. 10-25. Câmara Municipal de Leiria, Leiria.: 13). A sul da torre de menagem anexa-se o recinto do “último reduto", que vários autores atribuem também a D. Dinis[9]. Delimitado por muralha alta e, no extremo oposto ao da torre, por um torreão maciço, define uma pequena praça, no interior da qual se encontra uma cisterna soterrada.

Fig. 3: Torre de menagem e “último reduto" do Castelo de Leiria, alçado poente e planta.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

“ÚLTIMO REDUTO": CONSTRUÇÃO E RESTAURO Top

Formando um conjunto edificado coeso e militarmente coordenado, o “último reduto" parece resultar de um projeto executado de uma vez só. Contudo, as evidências arqueológicas, que decorrem da interpretação das unidades estratigráficas, do tipo de aparelhos construtivos que lhes deram origem e dos interfaces estabelecidos entre as mesmas[10], demonstram que este conjunto resulta na realidade de uma sequência de quatro distintas fases construtivas.

Fig. 4: Representação esquemática das distintas fases de construção do “último reduto", alçado nascente.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Fase I: torre de menagem

Sob os alicerces da torre de menagem foram identificados, em escavações arqueológicas, vestígios estruturais compostos por pedras com argamassa, do mesmo modo que sob os alicerces do torreão a sul do recinto se pôs a descoberto um muro em alvenaria de pedra, que sugere a preexistência de um edifício de consideráveis dimensões. Não obstante, não foram detetadas evidências suficientes para a sua inequívoca datação ou que comprovem uma relação construtiva entre estes elementos precedentes e as estruturas que compõem o “último reduto". De facto, o derrube da estrutura jacente sob a torre de menagem parece ter ocorrido intencionalmente, regularizando o terreno para edificação da mesma[11].

Sobre este nível foi erguida a torre de menagem, tendo a obra ficado concluída em 1324, no reinado de D. Dinis, conforme acima se expôs. A análise estratigráfica comprovou que, à exceção de grande parte das ameias, acrescentadas posteriormente, a torre resulta na verdade de um só momento construtivo[12]. Encontra-se todavia assente sobre uma sapata escalonada, que, conforme se depreende pelo modo como imbrica com a torre vários silhares, se ergueu neste mesmo momento. Ainda que com maior frequência possamos encontrar sapatas escalonadas em edificações românicas, não faltam exemplos de torres que, erguidas já em período de plena generalização de formas góticas, não deixam ainda assim de recorrer a esta solução arquitetónica[13]. Assim, coetânea e perfeitamente enquadrada nos cânones arquitetónicos vigentes à época, a sapata da torre de menagem recuará também ao reinado dionisino.

Fig. 5: Pormenor da sapata escalonada, no canto nordeste da torre de menagem.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Por outro lado, o canto sudoeste da torre de menagem ostenta uma prumada irregular, particularidade que o distingue das restantes três esquinas da torre, erguidas de forma absolutamente aprumada. Esta evidência resultará de uma de duas possibilidades: do desmonte de estrutura que havia sido erguida em simultâneo com a torre ou da preparação da esquina para o encosto posterior de estrutura. Qualquer uma das possibilidades porém afasta o projeto desta torre dos parâmetros próprios das torres de menagem ditas românicas, cuja construção se pretendia isolada de quaisquer outras construções. Atualmente, o “último reduto" acolhe nesta esquina da torre as escadas de acesso à sua porta, em alvenaria de pedra. O maciço das escadas aparenta estar, por seu turno, travado com a porta de acesso ao recinto do “último reduto". Formalmente similares, as duas portas, da torre e do recinto, deverão remontar a períodos muito próximos senão equivalentes, o que aproxima a cronologia de edificação das escadas da cronologia da própria torre[14]. A ser verdade, a irregularidade da prumada da esquina da torre justifica-se pela programação do encosto de um maciço de escadas, já em finais do primeiro quartel do século XIV. Esta ocorrência, que, salvaguardando o evidente hiato temporal, encontramos, por exemplo, nos desenhos de Duarte de Armas[15], recua de resto já ao reinado de D. Dinis em pelo menos um caso. Na torre de menagem de Monforte de Rio Livre, de origem dionisina, o corpo da torre surge erguido em simultâneo com o de uma muralha, onde por sua vez se inscreve o corpo de escadas de acesso à porta da torre.

Fig. 6: Torre de menagem de Leiria.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Fig. 7: Torre de menagem de Monforte de Rio Livre. Fonte: Direção Regional de Cultura do Norte.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Fase II: recinto amuralhado e torreão

Erguida a torre de menagem, seguiu-se a construção dos muros que encerram o pequeno recinto do “último reduto", incluindo o torreão, no extremo oposto ao da torre. A nascente percebe-se que o primeiro destes muros, travado no torreão, encosta à torre de menagem, sendo a construção de ambos, como tal, simultânea mas posterior à da torre. Não obstante, muro e torreão encontram-se erguidos em alvenarias[16] tipologicamente equivalentes à da utilizada para erguer a torre de menagem, sugerindo alguma proximidade cronológica entre os três elementos.

A poente, os muros primitivos são posteriores quer ao torreão, quer à torre de menagem, estando encostados a ambos. A leitura estratigráfica destes últimos porém reveste-se de alguma complexidade. De facto, a primitiva muralha poente resulta do somatório de dois muros sobrepostos[17], tendo o muro superior vindo reformar uma porta existente no muro inferior. Trata-se, como tal, de uma sequência de dois momentos construtivos distintos. Não obstante, ambos encostam claramente ao torreão, que, como visto, se ergueu depois da torre de menagem.

Fig. 8: Representação esquemática das distintas fases de construção do “último reduto", alçado poente. Destaque para os interfaces decorrentes da irregularidade da esquina sudoeste da torre e da reforma da porta.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

A porta reformada, por outro lado, assumiu uma configuração semelhante à da porta da torre de menagem, facto que, acrescido da semelhança entre o tipo construtivo partilhado entre torre de menagem, torreão e muros, sugere grande proximidade de cronologias construtivas. Assim, à construção do torreão ter-se-á seguido a construção, a poente, de um primeiro muro munido de porta, de imediato acrescentado de um segundo, associado à reforma da mesma. Não será de excluir a possibilidade de a projeção das escadas de acesso à torre ter motivado, como acima se expõe, a reforma da referida porta e, com ela, do primeiro muro.

Fig. 9: Representação esquemática das distintas fases de construção do “último reduto", seção transversal.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Fase III: barbacã e alambor

Pelo exterior, o “último reduto" encontra-se rodeado por um conjunto edificado, composto por estrutura maciça em talude, que, atingindo cinco metros de espessura e 50º de inclinação, deve ser interpretado como um alambor[18], estrutura que, introduzida em Portugal por via dos Templários, a partir de 1156,[19] se generalizaria nos castelos portugueses ao longo de toda a segunda metade do século XII. Mais característico do castelar românico, o alambor do “último reduto" foi, contudo, erguido quando estavam já plenamente adotados no Castelo de Leiria os conceitos subjacentes à arquitetura militar gótica.

De facto, e ainda que desprovido de relações estratigráficas sólidas com o conjunto interno (torre de menagem, torreão e muralhas do recinto), o alambor do “último reduto" não poderá ter sido erguido antes da construção deste conjunto, uma vez que circunscreve quase na totalidade a sua planta. Deste modo, a construção do alambor do “último reduto" não poderá recuar a período anterior a 1324, data em que ficou concluída a primeira estrutura do conjunto interno, a torre de menagem. Uma vez que define a sul um pequeno terraço[20], a construção do alambor poderá, por outro lado, não ultrapassar o terceiro quartel do século XV, época em que os terraços, previstos para instalação de artilharia, desaparecem, dando lugar às casamatas (Monteiro 2002Monteiro, J. G. 2002: “Reformas góticas nos castelos portugueses ao longo do século XIV e primeira metade do século XV”, em I. C. F. Fernandes (ed.), Simpósio Internacional sobre Castelos, Mil anos de fortificações na Península Ibérica e no Magreb (500 – 1500), pp. 659-666. Câmara Municipal de Palmela, Palmela.: 665-666).

Desfasado do período de edificação característico dos alambores em pelo menos dois séculos, a construção do alambor do “último reduto" deve, portanto, ser entendida como um revivalismo. De facto, tendo, com a difusão dos balcões matacães, paulatinamente perdido o seu valor defensivo, os alambores conheceriam, por influência da arquitetura militar italiana, um renascimento no século XV (Barroca 2003Barroca, M. J. 2003: “Arquitectura Militar”, em M. Th. Barata e N. S. Teixeira (dirs.), Nova História Militar de Portugal, 1, pp. 95-121. Círculo de Leitores, Lisboa.: 113-120), época a que muito provavelmente remonta o alambor do “último reduto" do Castelo de Leiria.

Em alguns locais onde o alambor se encontra interrompido, nomeadamente a poente e a norte do “último reduto", percebe-se que o mesmo encostou a uma construção preexistente[21]. A insuficiência de área exposta dificulta contudo a definição cronotipológica desta estrutura. A norte, o alambor abre espaço a uma porta ogival, em cantaria de calcário, à qual se encontra também encostado. Porta e muro, deste modo precedendo o alambor, desenvolvem-se paralelamente à torre de menagem e às muralhas do recinto interno, dos quais guardam uma estreita distância.

Fig. 10: “Último reduto", porta norte.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Fig. 11: “Último reduto", pormenor do alçado poente.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Num contexto militar, indubitavelmente associado a este conjunto até pelo menos à introdução do alambor, porta e muro configurariam impedimentos defensivos, pela criação de obstáculos ao tiro, excepto se, por si mesmos, constituíssem uma barreira ao avanço de assaltos. Perspetiva-se portanto a possibilidade de uma estrutura defensiva, que, erguida a curta distância do complexo que pretendia defender, com o qual se articulou de forma paralela e do qual guardou uma estreita distância, ou liça, se deduz consistir numa barbacã.

Solução arquitetónica comprovadamente adotada em Portugal desde o segundo quartel do século XIV[22], a edificação da barbacã do “último reduto" do Castelo de Leiria não deverá, por seu turno, ultrapassar o terceiro quartel do século XV, período máximo estimado, como visto, para a construção da estrutura que lhe foi encostada, o alambor. As barbacãs aplicadas a torres de menagem não seriam de resto completamente estranhas ao universo das fortificações portuguesas de finais da Época Medieval, posto que retratadas por Duarte de Armas, por exemplo, no Castelo de Castro Laboreiro.

Fig. 12: Excerto da planta do Castelo de Segura por Duarte de Armas, c. 1509. Corpo de escadas da torre de menagem em destaque. Fonte: Armas 2006Armas, D. de 2006: Livro das Fortalezas. Introdução de Manuel da Silva Castelo Branco, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Edições Inapa, 3ª edição, Lisboa (fac-simile da 1ª edição, c. 1509).: fl. 126 v.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Fig. 13: Excertos do Castelo de Castro Laboreiro por Duarte de Armas, c. 1509, vista sul, à esquerda, planta, à direita. Barbacã à torre de menagem em destaque. Fonte: Armas 2006Armas, D. de 2006: Livro das Fortalezas. Introdução de Manuel da Silva Castelo Branco, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Edições Inapa, 3ª edição, Lisboa (fac-simile da 1ª edição, c. 1509).: fl. 104, vista sul; fl 132 v.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Fig. 14: Excertos do Castelo de Castro Laboreiro por Duarte de Armas, c. 1509, vista sul, à esquerda, planta, à direita. Barbacã à torre de menagem em destaque. Fonte: Armas 2006Armas, D. de 2006: Livro das Fortalezas. Introdução de Manuel da Silva Castelo Branco, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Edições Inapa, 3ª edição, Lisboa (fac-simile da 1ª edição, c. 1509).: fl. 104, vista sul; fl 132 v.

Imagen

[Descargar tamaño completo]

 

Fase IV: restauro

O restauro do Castelo de Leiria[23] recua a 1898, ano em que o arquiteto Ernesto Korrodi publicou os seus Estudos de Reconstrução sobre o Castelo de Leiria, obra que grosso modo sustentaria as diferentes intervenções de restauro, conduzidas ao longo de praticamente todo o século XX. As obras, porém, foram iniciadas apenas em 1915 pela Liga dos Amigos do Castelo de Leiria (LACL), liderada pelo próprio Korrodi[24], num período em que prevalecia já sobre o conceito de reconstrução, o de conservação[25].

Fig. 15: Castelo de Leiria, paço de D. João I, c. 1907. Fonte: Vasconcellos 1907Vasconcellos, J. de, 1907: “Leiria”, em F. Brütt e Cunha Moraes (eds.), A Arte e a Natureza em Portugal, vol. 7, pp. 84-95, Emilio Biel & C.ª, Porto.: 94.